Infância: cuidados com a primeira dentição

Do nascimento ao fim da adolescência as arcadas dentárias e as estruturas orofaciais irão crescer e se desenvolver. Para garantir um sorriso saudável durante a infância, os cuidados com a saúde oral – que inclui idas regulares ao dentista – devem começar pela mãe, ainda na gestação. O profissional passará orientações sobre aleitamento materno e higiene do recém-nascido.

O bebê pode exibir algumas condições orais especiais, que podem desaparecer com o tempo, ou necessitar de intervenções odontopediátricas. Por isso, no nascimento, a equipe hospitalar examinará a condição oral da criança para identificar alguma característica que possa dificultar ou impedir, por exemplo, a respiração adequada, a sucção, a deglutição e o aleitamento.

A erupção dentária, apesar de natural, é um momento delicado para muitos bebês. Cada criança terá seu próprio tempo para o surgimento da primeira dentição e, quando isso acontecer, é recomendado marcar uma consulta com o odontopediatra – profissional especializado no atendimento odontológico de bebês, crianças e adolescente –, que estará apto a orientar e recomendar uma dieta, bem como práticas que favoreçam a saúde bucal do pequeno.  

O dentista deve monitorar a erupção da primeira dentição (dentes de leite) e permanentes, garantindo que eles permaneçam livres de cárie, doença gengival e outros problemas. Esses cuidados favorecerão o desenvolvimento das arcadas dentárias, resultando em uma mordida equilibrada e um sorriso harmonioso. Em casos complexos, o dentista pode encaminhar a criança a outros especialistas. Cuidar da saúde oral do bebê irá contribuir para a qualidade de vida do mesmo. Ações educativas e preventivas durante os primeiros anos de vida requerem cuidados profissionais e comprometimento familiar. Começar novos hábitos saudáveis envolve aspectos socioculturais que não são fáceis de mudar.

“É muito importante começar hábitos diários de limpeza da boca do bebê. A escovação deve começar junto com o aparecimento da primeira dentição, usando escova apropriada para a idade e creme dental recomendado pelo dentista – a quantidade deve ser equivalente a um grão de arroz cru. A família deve ser um exemplo de higiene oral para a criança, tendo-a como a primeira tarefa da manhã e a última tarefa da noite, e sempre após as refeições”, afirma a Dr.ª Helenice Biancalana, cirurgiã-dentista, especialista em odontopediatria e ortopedia funcional dos maxilares.

Antes da primeira dentição, realize uma limpeza utilizando apenas uma gaze ou pano com água filtrada. Na hora de dormir a produção de saliva diminui. A saliva protege os dentes naturalmente. Portanto, esse é o momento em que a higiene oral é mais necessária.

Doenças orais mais frequentes na primeira dentição

  • Bebês podem ter cárie dentária e gengivite, doenças que estão associadas a uma dieta rica em doces (achocolatados, refrigerantes, balas, entre outros) e a má higiene oral, especialmente quando falta escovação antes de dormir – tanto no sono do dia, quanto no da noite.
  • Quando identificada a cárie deve ser tratada imediatamente, já que pode destruir rapidamente os dentes de leite. Quando não tratada, o bebê pode sofrer de dores severas, afetando seu desenvolvimento e bem-estar geral.
  • A ocorrência de sapinho (candidíase) também é comum. Causada por fungos, o problema faz com que pontos ou placas esbranquiçadas apareçam na boca do bebê. Algumas das causas são: beijos de adultos, brinquedos e chupetas não esterilizadas. Uma boa higiene oral e a limpeza dos brinquedos do bebê ajudam a prevenir o sapinho.

Compartilhe:

Deixe uma resposta