O distúrbio do sono pode ser causado por problemas na boca

Dormir bem é fundamental para regular o metabolismo. Ao contrário do que parece, o sono é um mecanismo completamente ativo do ponto de vista da liberação hormonal, para induzi-lo acontece a liberação de melatonina (hormônio do sono) e, inversamente proporcional, a redução do cortisol (hormônio do estresse) é realizada. Os hormônios de saciedade e apetite também são regulados nesse momento.

O saudável e ideal é dormir oito horas por noite – um terço do dia. Mas, muitas vezes e com frequência, esse hábito é interrompido por algum distúrbio do sono, que pode ser uma insônia, parassonia (movimentos anormais) ou problemas respiratórios.

Uma insônia pode começar na boca. É como a campanha Sorrir Muda Tudo sempre destaca: o nosso corpo está conectado fisicamente, emocionalmente, mentalmente e espiritualmente. Um problema no sorriso pode afetar outras áreas do corpo, e vice-versa. Continue lendo para entender como uma condição bucal pode levar a um distúrbio do sono, bem como o que pode ser feito para obter uma noite de sono melhor.      

Bruxismo

Ao acordar, você sente os músculos da face doloridos – principalmente o maxilar – ou a cabeça latejando? Esses podem ser alguns sinais de bruxismo. Essa condição é caracterizada pelo ranger ou apertar forte dos dentes em determinados momentos do dia, principalmente à noite, durante o sono. Além das dores, o bruxismo pode levar ao desgaste/amolecimento dos dentes, e danificar o osso e o tecido gengival. A articulação da mandíbula também pode ser prejudicada.

Na maioria das vezes, o bruxismo não é percebido conscientemente, somente após uma consulta de rotina com o dentista, que notará o desgaste dos dentes e também do esmalte.

Esse é um distúrbio do sono sem causa específica, mas que pode ser agravado por algumas condições físicas e psicológicas, como estresse, ansiedade, tensão, má oclusão e problemas neurológicos. Com a ajuda do dentista, é possível descobrir a causa desse problema e encontrar a melhor forma de tratá-lo, combinando diferentes intervenções.

Uma delas é a utilização de placas que se encaixam entre os dentes superiores e inferiores, evitando o atrito entre eles. Com a tensão cotidiana, principalmente nesse cenário de pandemia, também é importante encontrar formas de aliviar o estresse, como meditação, exercícios físicos, terapia, entre outras.

Dor de dente

“A dor de dente é incapacitante, seja ela qual for, e também pode ser considerada um distúrbio do sono”, diz Dr. João Paulo Tanganeli, especialista em Disfunção Temporomandibular (DTM). O problema pode ser causado por sensibilidade, cárie, retração da gengiva, bruxismo, entre outros. Uma coisa é certa: dor de dente nunca é normal e deve ser investigada o quanto antes, mesmo que ela desapareça temporariamente.

DTM – Disfunção da articulação temporomandibular

Essa é a classificação para problemas na articulação temporomandibular, que liga a mandíbula ao crânio.

Fortes dores de cabeça, dores de ouvido e atrás dos olhos, dificuldade em fazer movimentos bruscos com a boca, flacidez dos músculos da mandíbula ou mandíbula que trava/sai do lugar são alguns dos sintomas dessa disfunção. 

A causa da DTM pode ser estresse, ansiedade, bruxismo, lesões na cabeça, no pescoço e nos maxilares, má oclusão, encaixe ruim dos dentes e doenças como a artrite.

O problema não tem cura, mas pode ser controlado. É essencial procurar um dentista especializado no assunto e fazer um tratamento multidisciplinar, que envolva também psicólogos, fisioterapeutas e otorrinolaringologistas.

Como dormir melhor?

A fisioterapeuta do sono, Dr.ª Fernanda Camargo, recomenda as seguintes práticas:

  • “O sono é embasado em uma rotina”, diz Fernanda. Portanto, é importante estabelecer um horário para dormir e acordar. Mantenha uma rotina durante o dia também.
  • Crie um ritual para dormir: tome banho morno, não coma nada muito pesado três horas antes de deitar, evite bebida alcóolica e cafeína, mantenha o quarto em uma temperatura agradável e ouça música clássica. Tudo isso faz com que o cérebro comece a se desligar.
  • Utilize o quarto apenas para o sono ou para atividades sexuais, não traga preocupações para esse ambiente. Quando o sono demorar para chegar, saia do quarto, vá para outro ambiente, escreva suas preocupações em um papel e volte para tentar dormir novamente.
  • Faça exercícios físicos pela manhã.
  • Teste atividades como aromaterapia, yoga, meditação, etc.
  • Coloque o celular em modo avião e fique na escuridão absoluta.
  • Caso nada disso funcione, procure por um especialista. O profissional pode administrar outros tipos de terapia específicos para o seu caso.

Compartilhe:

Deixe uma resposta